Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro, 2013

Ex-Thesis

A morte e a beleza são duas coisas profundas
Que contêm tanta sombra e tanto infinito, que dir-se-iam
Duas irmãs igualmente terríveis e profundas,
Até no mesmo enigma e mesmo segredo.
- Victor Hugo

Eu em vós sou empirismo sem platonismo.
Corpo desidealizado, posse, prático.
Sou a vossa posse do meu soma, arquitectado.
E podeis chicotear, demolir, escarnear.
Mas não podeis interrogar.

Eu em mim sou platonismo sem empirismo.
Ideia incorpórea, im-possuível, teórica.
Sou razoável, intensificado por sintomas que possuís.
E posso enterrar, guilhotinar, idolatrar.
Mas não me podem capturar.

Podem cicatrizar-me o corpo: é texto,
Mas não podem remendar a verdade.

O Relojoeiro

Imagem
Era a hora do Relojoeiro regressar à oficina. De devolver tempo a quem tinha a audácia do perder. O instante que mais me atraiu na sua era um facto bem recôndito: que todos os relógios estavam certos ao milésimo de segundo, ou seja, que cada tic estava coordenado na perfeição. Conjugando-o com os vinis de sua predilecção, cada toc era o perfeito eco do ritmo de uma percussão.

Mas deus é irónico e gosta, não dá simplesmente dons sem troca e ao Relojoeiro sacou o ouvir. Que outro serviço lhe poderia prestar um relojoeiro? Se o demiurgo podia se bem entendesse fazer do dia uma hora, ou da hora a minha vida. Confiante na memória e no bater do coração, o Relojoeiro via as horas no conjunto de relógios, era com o olhar que as acertava.

... Muitos anos a girar tempos.


thrash

Imagem
Matei o notório Lucifer, rasguei-lhe o nosso contrato na cara,
Pus a faca no bolso, fiz-me ao deserto e devolvi um anjo ao ventre:
Quando o parirem, hospitalizem-no directamente num tratado.

Desde quando é que a inocência de um cargo confere temor à imagem?
Pareces querer penar por mim, achar que podes divisar o Inferno,
Mas no fundo a vida é um hormonal inverno, suores e venenos linguísticos.

A escrita enigmática dá graça, escondo-me nos horrores da moda:
não é propaganda política mas pode ser um movimento da arte.
Sobra-me a dignidade para poderes ficar com todo o respeito.

Posso não caminhar sobre as tuas práticas,
e muito menos mostrar-te a sola à cara.
Oiço-te sufocar, é de prazer ou engasgas-te em vómito?