Mensagens

A mostrar mensagens de Março, 2010
that kind of love is just like that, it shows us the way to real emotions, but real feelings are ours only, no one copies them, no one takes them away, no one divides them with us... for each individual has its own personality. love changes, love kills, love is just like everything else in life that's good... it has a bad side. it has monsters that rise from it, love is another dellusion the human being lives looking forward to and, when found, it's not the real deal, it's just a one night stand, a one month stand, a one year stand or a one life stand. it is never eternal. it can be bought, just like any accessory. love is like my latest shades, now I have them, everyone wants them. now I own my own creativeness, I can love myself and no one else, I can buy love with cigarettes, coffee or even money and own it. love is nothing like the illusion the human being looked forward five centuries ago. when you say there's no love lost... all love is lost... at a 5% sales.

brown eyes

"in your brown eyes I walked away, in your brown eyes, I couldn't stay, in your brown eyes, you watched me go, turn the racket on and wonder what went wrong"
se tudo fosse tudo e tudo acabou, tudo podia tudo se tudo tivesse sido diferente, parece-me ser apenas um daqueles textos em que me queixo de tudo o que foi tudo e tudo o que odeio, precisamente por tudo ser tudo... hoje, de olhos castanhos.

nestes meus olhos, onde me perco narcisisticamente, sem saber de que cor são, pois todos os dias tudo muda, até a cor dos olhos, por vezes castanhos, verdes, amarelos, da cor que calhar, e  que espelha isso?

se tudo fosse concreto e eu não vivesse tão abstracto, então tudo seria tudo e não teria problemas em admitir tudo o que fiz para perder tudo.

tudo é tudo e tudo foi da última vez, tudo foi tudo mas já foi mais um adeus, peguei em tudo e deslizei-me embora, e perdi-me... na cor dos olhos.

se eu não fosse tão indeciso, tudo seria tudo e não uma vaga redundância em que chego …
Imagem
"the number you have reached is not interested in taking your call, please check the number or try your call again"
quando nos desligamos de tudo e tudo o resto corre bem... será esse o mundo que se quer? como se concília o mundo do que é preciso com o mundo que é querido? posso até afirmar que preciso do que quero, o que torna as coisas mais difíceis do que já são. eu sinto que fui e não sei se ainda o sou, por muito que converse comigo e culpe tudo no que era e não no que sou, eu procuro agora reconciliar o que foi com o que é, o que é preciso com o que é querido, o que é vermelho com o que é azul. mas nem os termómetros o fazem, quando a temperatura é baixa, não pode ser alta, então, o que não queremos (a temperatura baixa) não pode ser o que precisamos (temperatura alta). esforço-me para agradar-me a mim e agradar aos outros, mas a questão é... agradar aos outros é agradar-me a mim?
voltemos ao tempo, quanto não dávamos todos para voltar um segundo que fosse atrás no temp…