Mensagens

A mostrar mensagens de Agosto, 2013

Canvas

Imagem
Pintam-se linhas da luz que prisma por entre a erva,
Pecaminosos vales de flores de papel e nuvens roxas
Defloram-se e violam-se essas virgindades-estéticas
Corta-se o branco com os esgares de outro espectro.

Preto.

Apago o cigarro nas selvagens cicatrizes do braço
(do simbólico perfurar da indústria no natural)
Escorrem tons de vermelho desta alma tão venal
Acorrem anjos para alcoolizar o podre intemporal.

Pistolas. Turquesa. Anjos mortos.

Sobre campas pintam-se morcegos
A aliança é a permissão do podre acto libertino
A coroa e o trono têm-na a idiossincrasia:
Afoguemos por segundos quem aprendeu a respirar.

Branco.

A nossa marca é este contaminar
O acto jaculatório que conspurca a selva
Tememos quem quer retomar no canvas o seu lugar;
Tememos apenas a nossa hipócrita-anestesia.

Pavimentar

Imagem
Ninguém o questiona na sua menoridade. Ali está ele debruçado no chão a esculpir o caminho que um dia vai caminhar. Molda-o à sua medida e à medida humana: uma que todos possam pisar, de dimensões razoáveis e estáveis. É por aqui que um dia o céu vai dançar.

O cimento de pó cósmico, do suor das estrelas que já dançam, iluminadas pela solidão voyeurista da lua. O pedreiro, pedra a pedra constrói estrada que, quando seca, testa com os próprios pés: não fosse construir uma ponte sem outro lado, não fosse preguiça a segurar-se no próprio braço, crendo-o um ramo.

Finalmente, em orgulho e cansaço, o pedreiro cria o seu subvalorizado artefacto. A sua arte&pragma é ignorada. Resta-lhe o vazio e o caminho que a tantos próximos vai servir... mas no fundo só cumpriu a sua função. O caminho para o Inferno está cheio de valsas que os insignificantes compuseram para as galáxias.

"Transforma-se o amador na cousa amada"

Fogo & Sonho Tribal

A perda da imagem num mundo que se rege pela aparência, pela estesia, resulta numa desmistificação do corpo morto, que se vê transfigurado pelas chamas. O pó do corpo, agora desvirtualizado, perde toda a sua iconicidade: o signo-corpo está por toda a vida, pela identidade, atordoando-nos num corpo imóvel, invivo. O signo-pó, por outro lado, perde toda a sua conotação identitária, a imagem passa a ser a de um tributo à identidade, essa, que se esvaiu do corpo. O pó perde a capacidade de nos assombrar fazendo-nos questionar sobre a presença ou ausência do ente querido. Mas não nos pode assombrar, o original transfigura-se num simulacro, infundado, mas que implica totalidade e mesmidão material.

Se vivemos com o recalque do sonho primal da possibilidade de sermos assombrados, confirmamos que é à essência que se deve ser prestado culto. Ao fim, ao cabo, a formação da identidade resulta da intertextualidade tecida entre as nossas vidas e as dos nossos entes queridos. O corpo é o veículo da…

Outro Dos Repositórios

Aos tempos mais que perdidos que não passámos juntos. Vejo no cair das estrelas um reflexo tão magnifico quanto triste. Como o fabulado cantar do cisne morrente. Mas vejo na fixidez das outras um perdurar que te acompanha: uma estaticidade, uma invulnerabilidade à decadência, um palco santo. Somos puzzles como os gregos diziam, de opostos que se atraem, de iguais que se repelem, num magnetismo pré-determinado. Há faíscas nos nossos olhares e muitas vezes temo por elas. Há uma grande nódoa negra no sol de hoje. Há luzes que não servem para mais nada se não aterrorizar-nos com a imensidão das nossas sombras. Tu fazes-me sentir humanesco: um animal no corpo de outro que se via superior, porém, nada mais que um animal.

Quem me dera saber aguentar, mas resguardo-me em cigarros e ídolos e deixo estas notas. Já não posso limpar a merda dos nossos sapatos, mas que fique pelos pés, os corpos são nossos. O tempo distende-se e os comprimidos não fazem o tempo voltar atrás... só o poderiam parar.…

Imagem do Céu

Imagem
Caminhamos guiados pelas nuvens, desacorrentados do chão, libertos de monstros inocentes... de nós mesmos. Nesta pureza mecânica se pulsam as veias de electricidade, da fricção dos corpos. Desligados reúnem-se num propósito: o olhar o céu.

No dia vemos a nossa cartografia reflectir uma existência externa, a luminosa promessa da relação. Na solidão da noite somos iludidos pela sombra; a existência permanece, ela reflecte a nossa luz.

Eléctricos mas nunca estáticos, nunca sós e nunca infames concebemos correntes que nos libertam no seu puxar. Sentimo-nos livres no peso, asfixiados pela leveza e tudo isso é só... perder as palavras sobre o que é viver neste agora...


História

Imagem
Da Mentira Escrita Escreve a tua própria realidade. Recomendaram. Sempre fiz por isso, por me expulsar a mim mesmo do natural fluxo da história. Alimentei o mecanismo do veneno: da escrita contra a fala. Deixei em tinta as marcas dos meus dedos que acariciavam a parede. E esse carinho ficou lá para sempre. Foi a única coisa que alguma vez perdurou, só isso venceu a morte. Entre a covardia do discurso proferido - passível, e rapidamente, de esquecimento - e salvaguardar tanto genialidades quanto idiossincrasias na tinta-eterna, preteri o óbvio.

Em controlo, descontrolo. Na inocência, os maiores horrores. Compreender, interpretar e significar são tragicomédias, lançadas para o infinitésimo da proximidade ou para a mais longínqua diferença. Um som mal ouvido ou entoado valeu genocídios - e ainda acreditamos na genuína bondade humana, quando os nossos anjos e cyborgs nos transtornam mais que as suas finalidades. Pavimentámos os caminhos do inferno com os nossos nomes em gritos de tinta ma…