Mensagens

O fim do abismo

Imagem
Ficam para trás as ruínas, os espinhos das rosas que lhes tirámos. Ficam para trás os mortos e as memórias que lhes absorvemos. O que resta é o que lá está: as ruínas para que continuamos a olhar sem observar, os mortos que constantemente desrespeitamos pela nossa falta de vontade de viver.

O tempo e o espaço são medidas incompletas sem a emoção. E a emoção divide-se em conhecimento e vontade. Se a emoção desliza da sensação e é corrompida pela idealização, o conhecimento é esse generalizar. Olhar para o mundo pelo espectro das ideias é a constante dissatisfação de ter o que não temos, por não corresponder ao nosso conhecimento das coisas. O conhecimento, a inteligência, é o que nos ancora ao fundo do abismo e não nos deixa escalar em direcção à luz que víamos antes de cair.

Por outro lado, a vontade é o que nos dá permissão. É a emoção que nos faz mover em vez de nos calcar ao conhecido. Que desloca dos padrões desrespeitados pelo confronto directo com a vida. Se continuamos a viver …

A sagrada distância

Imagem
Eu sou o que resta.
Sou a distância da queda de um sonho.
Sou as peças espalhadas onde ficaram.

Não há antídoto para o veneno da saudade
O mesmo céu que para todos é igual,
O espelho que reflecte todas as ligações.

Superior a todas as coleiras e correntes
Ecrã pincelado que nos relembra
Tudo ocorre debaixo do mesmo lençol.

Não se aproveitem da maldição da recordação
Dos constantes rituais pela ressurreição
Que fascinam com a separação sem reparação.

Numa bolha, num reino bem longe, muito longe
Ficou um principe ou um feiticeiro (confunde-se),
Flutua, distante, na inamovível pen-drive da felicidade.

Entes queridos,
Ou sou o que falta,
Ou tudo o que foi.


A maldição.

Imagem
Cada peça ficou onde caiu. Deixei os fios da discussão de vidas passadas suspensos, como um puzzle que ficou por completar. Mas uma fagulha do motor do avião bastou e peguei-lhes fogo quando comprava uma harpa. Saltei da frigideira para uma piscina de licor.

As regras de que todos os sonhos escapam. Um a um ilumino os tijolos dourados, que são dourados porque assim os pintaram. Os tijolos de uma história são o suposto para o absurdo, o como deve ser da pobreza de espírito de lentes desfocadas, para quem os caminhos bordados a ouro são falsas pretensões. E o absurdo é a lei do momento que leva terminar uma vida como se bate a cinza de um cigarro.

Pode ser que o caminho se desenhe em erros. Porquê o pânico face aos caminhos bifurcados se já estão pavimentados e é seguir? Não será difícil averiguar que Oz não é algures sobre o arco-íris, mas aquele caminho banhado a luz verde que por ali vês? Por vezes os focos de luz verde no céu podem estar certos e talvez tenhamos sido nós a errar por p…

A balada do Caos

Imagem
Resultas do cruzamento de dimensões e poeiras
És privilegiado por respirar
Não vês os rios de ouro escorrer?
E as pirâmides doidas que fizémos ao passado?

Como podes entender?
Como podes aceitar?
Como não dramatizar?
Quanto medo tens de reprimir para dar um passo?
E com quanta ansiedade lidas
Quando estás prestes a ser alguma coisa?

Custa ser por se acreditar num protocolo
"Se agora sou isto devo sê-lo e a isso apenas"
Esse é o teu tiro no pé
Vendem-te os sonhos a preço da alma
33 gramas numa nota, heh, e nem uma linha para cheirar

Custam-te os jardins de caminhos bifurcados
A possibilidade face à sensibilidade
A eternidade face ao tempo
E vives como uma estátua prestes a desabar
Sem certezas dos folículos que te fazem

Todas as mortes que planeaste,
Os suicídios ao juízo,
Tudo o que podia ser mas ia deixar de o poder
Vives tudo como se a Fortuna existisse mesmo
Todo preocupado com o karma
E todas as vidas dos outros (que consideras "simulação")
E com "como dev…

O caos, a ordem e o tempo

Imagem
Eu tive a memória de um futuro perdido, em que o sol se punha sem raios, o céu era cinzento e no vento se sentia o odor a cripta. A respiração ansiosa não descansa, receia vê-lo concretizar-se.

Quem lida com o tempo descobre logo um paradoxo eterno: os momentos nascem sabendo que vão morrer antes de se sentirem vivos. O seu único propósito é o de morrer e tornar a morrer para se substituir por uma versão desprovida de memória. Sempre que se aceita a sensação de um momento, vende-se a sensação do anterior e da sua alternativa. Ironicamente, só quem renuncia ao tempo (à sua contagem ou organização) o pode apreender realmente.

O tempo pode sentir-se de dois modos. Do modo que é contado pelos vencedores, que se aliam e auto-nomeiam de heróis debaixo da asa da deusa Ordem, que generaliza, faz estereótipos, calcula médias, modas e medianas e ensina à sociedade como se deve viver. Ou, de outro modo, o tempo pode ser sentido tal e como é, na mais pura autenticidade do mundo a que subjaz e, ne…

Fama Engarrafada

Imagem
"Toma só mais um golo, prometo que está quase a acabar". O problema da fama engarrafada é que só quando consumida é que faz ver o que traz no fundo. É outra deusa voraz, presa à vaidosa ideia romântica da mulher demoníaca. E nada mais a prende. Não é bem ou mal, é para além da moral. Ver julgamentos apenas no beijo da despedida: o que é eternamente trocado com a terra e os vermes. Mas é apreciadora dos esforços que são feitos por ela. De cada intento suicida em consumir a sua poção.

Em teoria, a fama engarrafada actua lentamente no corpo, pode paralisar ou fazer esquecer motivos, criar uma dor tão grande que distrai dos objectivos ou incapacitar, dê por onde der. E há um carrasco que ta dá de beber, trago a trago, cálice a cálice. Ele olha-te nos olhos e faz esquecer a luz verde. Deixa-te apenas a nadar no teu medo do desconhecido. E obriga-te a beber da mais violenta forma. Antes que possas contestar, já a estás a provar.

Ouves os iniciados brindar saúde à tua volta, enquan…

O roubo de Calypso

Imagem
cortinas de fumo negro
do barco que acabei de derrubar
não permitem ver além do trono
a aridez de sucessivos desertos
secou o soro ocular
astrolábio e quadrante mostram que as estrelas existem
de que valem quando o coração as não sente
antes salta as batidas
e o ritmo fica estranho
a respiração carrega a preocupação
às costas como uma pesada âncora a puxar
o sufoco engasga e não desaparece
rezo a Calypso
que me devolva o oceano aos olhos
esse amor abandonado e abandonante
que nos mares que me levou
navega triunfante
e as velas não sentem o vento
param
mas as paisagens passam e os continentes também
e o barco parado no mar despejado
os marinheiros ao convés desatinados
ofegantes
vislumbrados pela morte no fundo
onde os mortos já não mentem
içam bandeiras de socorro
que ardem junto com as outras
tomam a tonalidade negra quando sobem mastro
esvaem-se em fumos
nem se sabe que dantes havia mar aqui
ela lá vai
ao longe flutua
ergue-se para ser vista
sem nos ver
e com a miragem a melodia
e c…