Mensagens

A mostrar mensagens de Fevereiro, 2009

:| Uma questão de valores!

Oh meu deus, sempre em frente aos meus olhos, no meu jogo preferido, esta tal questão de valores e só hoje, depois do teste de filosofia a percebi.

Se lerem uns 3 posts atrás, eu expliquei a tal história do jogo. Pois bem:
O tal Sin tem estado em Spira por mais de mil anos, coberto por uma mentira criada pela religião para tentar acabar com o pecado.

"The teachings state that we can exorcise Sin with complete atonement"
(os ensinamentos dizem que podemos exorcisar o Sin com arrependimento total)

As pessoas morriam para conseguir vencer o Sin, matavam-no, mas tornavam-se nele em seu lugar, dando lugar a uma espiral da morte, sem fim.

"It's been our only hope all these years"
"Hope... is comforting. It allows us to accept fate, however tragic it might be"
(tem sido a nossa única esperança todos estes anos)
(esperança é confortante. faz-nos aceitar o destino, não interessa quão trágico seja)

Quem dava a vida para destruir Sin, fazia-o pelo bem da humanidade, pelo …

Someday the dream will end

Nem todas as histórias o são realmente. São histórias por serem contadas. Mas todas têm no fundo um pontinho de realidade.
Depois das histórias, em livros, ou tradicionalmente contadas á volta de uma lareira, eis que chega a televisão e com ela histórias da vida "real" fictícias.
Depois, os filmes, DVDs, etc. Mas onde quero chegar realmente são aos jogos.
O que é um jogo? Não é dos jogos tipo puzzles que estou a falar. Estou a falar dos verdadeiros jogos de computador, aqueles com personagens, com histórias, com tudo.

Final Fantasy X. Está tudo dito. O meu jogo preferido tinha de cá vir parar um dia. É o meu jogo preferido por ser tão real quanto ficção.
Na terra de Spira vive um rapaz chamado Tidus que joga um jogo de futebol subaquático. Um dia, é abordado por uma criatura que destrói a sua cidade e o transporta para outro mundo. Outro mundo não. Para fora do sonho onde ele vivia. Tidus não passava de um sonho criado pela Fé de milhões de pessoas em como, um dia, essa criatura …

Love, the ultimate illusion

O amor, a derradeira ilusão, o sentimento que une os seres humanos superior a qualquer outro poder.
"The highest power" (by Cascada)

Bem, eu prevejo passar novamente este dia sozinho :D sou um encalhado mas não deixo de dar as minhas opiniões sobre tudo e todos.
No ultimo ano, a meio das minhas mudanças mentais,... não, esperem. Antes de começarem as minhas mudanças, era uma pessoa de ideias muito fixas e completamente inútil para pensar. O amor para mim não existia, era uma mera estupidez criada pelos seres humanos. Isto e todos os outros sentimentos. Renunciara a eles, eu não sonhava, não sentia (digno de um antagonista num livro qualquer não era?). Mas naquela noite, já depois de ter iniciado este blog, em Abril, comecei a perceber aquilo a que tinha renunciado. As minhas mudanças começaram aí.
Comecei a perceber o amor tal como ele é. Sentia-o. E sofri com ele. Mais normal que isto não pode haver.

O que é uma ilusão? É algo que pensamos ver(neste caso sentir) mas não passa de…

O doce sacrifício

Uma temática já aqui tratada foi a imortalidade. Vou agora dar as minhas perspectivas actuais sobre o tema mais estúpido que o ser humano inventou.
Uma música dos Within Temptation, a Never-ending Story retrata isto, mais ou menos diz o seguinte:
"Exércitos conquistaram e caíram no fim
Reinos nasceram e cobertos por areia
A Terra é a nossa mãe, ela dá e ela tira
Põe-nos a dormir, na sua luz vamos acordar (...)

Somos parte de uma história, parte de um conto
Estamos todos nesta jornada, ninguém vai ficar
Onde quer que nos leve
Qual é o caminho?"

Tá tudo dito. Tudo é suposto ter um fim. Os exércitos, por muito grandes e "invencíveis" (esta é outra -.-) que fossem, acabaram sempre por cair. Os reinos, apesar de toda a sua majestosidade, foram cobertos por areia, descubertos agora recentemente por arqueólogos. De que nos serve a imortalidade? Todos eles foram notórios e todos eles caíram. Morreram, cobertos pelo desespero que era manterem-se vivos.

Mas ponham-se no outro papel. Im…

Autoridade

Hoje, tivémos a esperada conversa com o senhor director da escola, pessoa que respeito acima de tudo naquela escola, não quero ser expulso [ninguém quer, portanto respeitem aquele homem ou pode vir um pior].
Falámos, assunto principal, as aulas de MACS e a palavra que mais repetiu foi "Autoridade". É é sobre isso que vou falar. É sobre a forma como pessoas podem ou não controlar-nos, seguindo uma hierarquia. E essa hierarquia? É o quê? Uma forma de diferenciar pessoas umas de outras seguindo padrões criados pelos seres humanos que todos sabemos que são imperfeitos?
[aqui foi uma pausa por assuntos pessoais, ainda mais que este]

E a tal hierarquia? Estará correcta? É verdade tudo o que foi dito naquela aula, uma aula é um sítio nobre... mas que nobreza há se não há autoridade. Aliás nobreza em si, VEM DE AUTORIDADE, vem da forma como, desde sempre, as pessoas se rebaixavam umas ás outras[diferenciação social -.-]. O que interessa aqui é mesmo o abuso de autoridade.
Pensemos no se…

Passado/Memórias Redux

"I had to erase their past in order to guide them to the future."
"You are wrong. Although I've wished to be stronger and I've wanted to change... I realized that losing my past would mean losing myself."


Foram as frases com que me deparei hoje. As duas no mesmo diálogo. Não são fantásticas? A forma como tratam uma escapatória dos seres humanos a tudo? Inclusivé ao passado?
Mais ou menos dizem o seguinte(para quem não sabe inglês):
"Tive de apagar o passado deles para os guiar para o futuro."
"Enganas-te. Mesmo que tenha tentado ser mais forte e tenha querido mudar... Percebi que se perdesse o meu passado, significaria perder-me a mim mesmo."


Por um lado, a primeira frase tem o seu ponto de vista, mas muito obscuro e invisível aos olhos de muitos. Existem pessoas que se apegam muito ao passado. Pensam em tudo o que fizeram para lhes correr mal alguma coisa, ou bem. Essas pessoas estão presas a esse passado e merecem ser soltas, tal como todas …

Posts por uma semana

Não tivemos outra escolha [Terça, 3 de Fevereiro, 2009]
"não tivemos outra escolha", as nossas palavras mágicas, sempre "não tivémos outra escolha". Em dois anos, escolhi seguir o caminho que me deram, "não tive outra escolha" mas não sabes como é ver os teus amigos trairem-te ou desaparecerem á tua frente. Mas não tive outra escolha, era o meu destino, eu entrei, aceitei e deixei-o tornar-se verdade. Mas foi horrível. Não quero que outro destino igual a este exista, é demasiado horrível. Mas "não tive outra escolha". O mundo é pequeno aos meus olhos, é pequeno quanto a mentalidades. Não percebo como só seguem aqueles que pensam ser os "bons", por vezes os "maus" também têm o seu lado bom e por vezes, esse lado é melhor que muitos "bons" juntos. Mas jogamos sempre com uma balança. Aqueles que para mim são os “maus” ficam no outro prato, eu fico neste com os meus amigos. Pois os meus amigos podem ter algumas desavença…